sábado, 4 de maio de 2013

Com que roupa eu vou? São Paulo FC já utilizou vários uniformes diferentes ao longo da história.

Tá, não foram tantos assim, mas o tricolor do Morumbi, meu time do coração, já entrou em campo com diferentes uniformes ao longo de sua gloriosa história, e até em quadra!

O torcedor são-paulino aguardou com ansiedade a tão sonhada camisa comemorativa vermelha, amplamente anunciada pela diretoria do clube desde que foi firmada a parceria de patrocínio e fornecimento de material esportivo com a Penalty no final de 2012. A marca já vestiu o time em outras duas oportunidades, participando da fase mais gloriosa do clube no início dos anos da década de 1990, onde o tricolor conquistou o mundo e a América por duas vezes.

Existe um senão no estatuto do clube, que proibi veementemente qualquer mudança de cor ou estilo dos dois uniformes da equipe, vetando inclusive uma terceira camisa. No entanto, nada diz respeito a camisas comemorativas, e desta forma, o São Paulo e a Penalty encontraram a brecha que precisavam para lançar moda. 

Acredito que o estatuto do clube deva ser revisto, pois, há mais de duas décadas as equipes faturam alto com a venda de terceiras camisas ou mudanças nos uniformes tradicionais, que o digam Palmeiras, Corinthians, Grêmio, Fluminense e Coritiba, que já usaram e abusaram da prática. Enquanto o isso o tricolor sempre se apegou em mudanças de ordem estética apenas, não alterando profundamente o uniforme. Apenas detalhes em golas, mangas, uma faixa ali, outra aqui, largura da listras horizontais no uniforme 1 e verticais no 2, mas nada que mudasse radicalmente. 

O número nas costas, no caso do uniforme 1 era tradicionalmente vermelho e por cima das listras, nos anos da década de 1980 e 1990 ganhou uma sutil abertura nas listras horizontais, e oscilou entre a cor vermelha e preta em diferentes ocasiões, o mesmo acontecendo com o uniforme número 2, que tradicionalmente tinha o número branco por cima das faixas, mas já teve versões com fundo branco e número preto, fundo branco e número vermelho, fundo vermelho e número branco, fundo preto e número branco e fundo preto e número dourado na época da Topper, a mudança mais radical experimentada pelo tradicionalíssimo uniforme tricolor a durar por mais tempo.

Mas existem outras versões, vamos ver as que eu puxei pela memória e em pesquisas na internet:


Uniforme todo vermelho utilizado na partida contra o Penapolense no final de semana passado, até hoje foi a mudança mais radical e a que mais causou polêmica no tricolor.



Em 2002 o clube lançou uma camisa comemorativa referente à conquista do primeiro mundial do clube, que apesar de ser relacionada apenas com a conquista de 1992, trazia a inscrição Bi-Mundial nas costas. A camisa era vermelha, com listras branca e preta sob o fundo vermelho, alternando as cores com o branco tradicional. Jogadores da equipe chegaram a participar de programas de televisão com o uniforme, mas o time em si nunca jogou com ela.



O tradicional uniforme da equipe tricolor, com a cor branca predominando no calção e meias.



O segundo uniforme, também tradicional, com as listras verticais, calção branco e meias brancas. Tal combinação foi abandonada após o ano de 1995, quando o clube visitante passou a ter que trocar qualquer peça do uniforme semelhante a da equipe da casa. Como se tornou rara as vezes em que o time são-paulino não precisou mudar o calção, o branco acabou sendo aposentado, e atualmente, só é utilizado em jogos contra clubes de uniforme branco e calção preto, como em clássicos contra o Corinthians.



Em 1930 o São Paulo chegou a atuar com camisas negras, calções brancos e meias negras. A explicação era que o clube ainda não possuía um segundo uniforme, que só surgiu em 1932, e por conta disso, precisou improvisar em um amistoso contra a seleção dos Estados Unidos, que só possuía um uniforme branco. O time então utilizou o uniforme da antiga equipe do Palmeiras, um dos clubes que deu origem ao tricolor. 



Em 1940 o clube fez sete jogos com uma camisa listrada em preto e branco, com golas e mangas vermelhas, assim como o calção, que também foi utilizado na cor branca.



Em 1966 o São Paulo atuou em dez partidas do Campeonato Paulista com um uniforme formado por três listras verticais, uma de cada cor do clube, com o escudo ao centro e calção branco. O time jogou desta forma inclusive nos clássicos contra o Corinthians, Palmeiras e Santos. Recentemente a camiseta foi relançada, apenas para os torcedores.



Também em 1966, em uma excursão à Espanha, o tricolor enfrentou o Real Madrid, e ambas as equipes trouxeram apenas o uniforme branco. A solução foi o time brasileiro jogar com camisas e calções azuis, emprestados da equipe do Recreativo Huelva. Jogando de azul, o tricolor venceu o time da capital espanhola por 2 a 1. É o único registro da equipe na qual tenha atuado com uma cor totalmente diferente das suas tradicionais. 

Fato parecido ocorreu em 1978, quando a equipe utilizou o uniforme vermelho do Unión Española do Chile, em um jogo contra a equipe do Palestino, onde a situação foi semelhante a 1966. Nesta ocasião o tricolor perdeu por 2 a 1, em jogo válido pela Copa Libertadores da América. Não encontrei nenhuma foto deste jogo disponível na internet.



No ano 2000 a equipe atuou apenas no primeiro tempo com um uniforme em homenagem a um dos clubes que lhe deu origem, o Clube Athlético Paulistano. Com camisas e calções brancos e meias vermelhas, o São Paulo inovou com a moda retrô. A camisa era inteiramente fechada na frente com botões. A partida, válida para torneio amistoso, terminou com vitória do São Paulo por 3 a 2 contra o Avaí.



Calções pretos e meias pretas, as mudanças obrigatórias que a equipe precisa fazer, quando joga como visitante contra clubes que possuam as peças da vestimentas nas cores brancas, com exceção da camisa. Existem também versões em que jogou apenas com uma vestimenta na cor preta, ou seja, calção ou meia.



O uniforme reserva atual do São Paulo trocou o branco pelo preto nos calções e meias.



Calções ou meias brancas no uniforme reserva só são utilizados agora em caso da outra equipe possuir as vestimentas na cor preta.



Em algumas ocasiões o São Paulo testou a cor vermelha (olha ela aí de novo) no calção e meias do uniforme número 2. Em 2011, a equipe resolveu apostar e oficializar a cor em substituição a combinação das vestimentas na cor preta. O uniforme não agradou, e o clube voltou a usar as cores pretas para calção e meias oficialmente e novamente a partir de 2012.



A combinação de calções e meias vermelhas também foi tentada em casos de troca das vestimentas em combinação com o uniforme branco em algumas oportunidades. Como no caso do uniforme 2, não agradou aos torcedores, e o clube voltou a usar calções pretos.



Em algumas ocasiões a equipe tricolor entrou em campo com uniformes comemorativos e o retirou antes do início da partida, como na ocasião em que o goleiro Rogério Ceni completou 1000 jogos pela equipe em 2011, onde todo elenco vestiu e posou para a foto oficial com a camisa comemorativa do goleiro.



O São Paulo teve muitos jogadores uruguaios em sua história, dos quais ajudaram a equipe a conquistar importantes taças. Para homenageá-los, em 2012 o time entrou em campo com um uniforme comemorativo na cor da celeste olímpica, com três faixas verticais na cor do clube ao centro e o escudo no meio do peito, além da bandeira uruguaia. Cada jogador levava nas costas o nome e o número de um jogador uruguaio homenageado. A única exceção foi o goleiro Rogério Ceni, que entrou de cinza homenageando ao goleiro brasileiro Waldir Peres, que jogou pela equipe com vários dos atletas uruguaios homenageados no dia 16 de setembro de 2012. Antes do início da partida, a equipe retirou as camisas e jogou com o uniforme branco tradicional.



Detalhes frontais da camisa em homenagem ao Uruguai.



No vôlei, a equipe do São Paulo possui uniformes pretos, com as listras vermelha e branca na horizontal, trocando a cor branca com a preta no uniforme. O levantador chegou a atuar de dourado, como na foto acima.


Visão frontal da camisa de vôlei do tricolor.



A equipe tricolor, também no vôlei, já chegou a ter um uniforme todo preto, com o escudo tricolor no lado direito do peito, sem as tradicionais listras.



Em 2013 o São Paulo iniciou a parceria com a Penalty pela terceira vez. E para inovar, o clube e a fornecedora de material esportivo colocaram na órbita da Terra uma camisa do uniforme principal, através de uma lançamento feito do próprio estádio do Morumbi. Claro, toda a ação foi filmada, inclusive com a camisa já em órbita.


Nenhum comentário: